Buscar

Sociedade 5.0: Supersmart, continuousnext & bananas

Em 1989, Tim Berners-Lee, um jovem cientista britânico, lança a proposta de uma plataforma global para conectar toda a informação do planeta: a World Wide Web. Conforme essa sua visão foi se concretizando e ganhando corpo, ela foi também pavimentando o caminho da Revolução Digital, que está reestruturando a humanidade em ritmo e profundidade sem precedentes na nossa história.


Esses 30 anos de conectividade global são uma conquista que vai muito além da tão celebrada conexão entre seres humanos e das onipresentes mídias sociais digitais. Hoje, a web é apenas uma das peças que configuram algo muito maior, que engloba potencialmente todas as coisas existentes no mundo – sejam elas seres humanos, documentos, máquinas, computadores, objetos, lugares, enfim, tudo! E por que isso é tão importante? Porque a conectividade é fator essencial para o desenvolvimento da inteligência de qualquer sistema (humano ou digital) e, por isso, ela é catalisadora de inovações, revoluções e evoluções. Vejamos…


Inteligência é a capacidade de se processar informações para se alcançar objetivos específicos otimizando recursos — quanto melhor o resultado desse processamento, maior a inteligência do sistema. Assim, para que o processamento de inteligência aconteça é necessário se obter informações — sem dados não existe o que processar! A conectividade, por sua vez, gera fluxos de informações – dados –, que são o alimento da inteligência.


Nesse sentido, desde o surgimento da web, temos experimentado melhorias tanto na conectividade, quanto na capacidade de processamento de informações, contribuindo consequentemente para o aumento da inteligência digital do planeta:


  • evolução contínua da conectividade mundial, tanto em termos de volume e velocidade, quanto de qualidade dos fluxos de informação;

  • melhoria significativa do processamento computacional.

Nesse ritmo crescente, o que podemos esperar para os próximos 30 anos?


Sociedade 5.0

Se o sonho inicial para a web era a conexão universal da informação (o que resultou na 4ª Revolução Industrial que vivemos hoje, formando a sociedade 4.0), o anseio evolutivo atual é a conexão universal de tudo – ou seja, a internet das coisas realizada em seu pleno potencial, configurando uma infraestrutura 5.0 que alavancará uma nova humanidade, constituindo a sociedade 5.0.


Esse novo patamar vai se configurando conforme conseguimos linkar cada vez mais as informações de todas as coisas do planeta, em tempo real – quanto mais coisas linkadas, e mais fluxos qualificados de informação, maior a inteligência da rede. Nesse contexto, para dar conta de trilhões de dispositivos que estarão permanentemente conectados — desde lâmpadas, cafeteiras e vasos sanitários até drones, carros autônomos, e literalmente, qualquer outra coisa –, emerge a tecnologia 5G para viabilizar essa interconexão ubíqua planetária, cujos benefícios são infindáveis:


  • A Inteligência Artificial (AI) transformará cada vez mais o big data coletado pela internet das coisas em uma nova camada de inteligência no planeta, dando origem a uma sociedade baseada em tecnologia centrada no humano.

  • A AI associada com a evolução da robótica permitirá gradativamente a ampliação das capacidades humanas para dimensões e níveis extraordinários, que nos tornarão cada vez mais supersmart.

  • Ao nos liberarmos dos trabalhos repetitivos (que passam a ser executados cada vez mais por máquinas), enquanto, ao mesmo tempo, ampliamos tecnologicamente as nossas habilidades, poderemos desenvolver e alcançar o nosso máximo potencial, expandindo, assim, as infinitas possibilidades para desfrutarmos de uma vida melhor.

Nesse cenário de rápida e constante transformação da humanidade e do trabalho, conforme avançamos a passos largos para a Sociedade 5.0, quais são os impactos no papel do líder? Como deverá ser o Líder 5.0, que atuará com times de indivíduos cada vez mais fluidos, dinâmicos e híbridos humano-digital?


ContinousNext

Sabemos que a liderança é uma função direta dos seus liderados – ou seja, mudanças constantes e aceleradas nos indivíduos de um time requerem também mudanças constantes e aceleradas nos seus líderes. Assim, as características de liderança necessárias a cada momento precisam se modificar continuamente para otimizar os resultados de um time dinâmico.


Portanto, nesse cenário de equipes e ambientes altamente voláteis e mutantes, não é mais possível se ter um único líder fixo, pois as habilidades de liderança precisam acompanhar o mesmo grau de volatilidade e mudança do ambiente e dos indivíduos. Assim, o papel do líder na sociedade 5.0 deixa de ser uma característica permanente e passa a ser um estado transitório dos indivíduos.


Fazendo uma analogia com o futebol, as estratégias (e habilidades) de liderança, gradativamente deixam de ser as do futebol clássico e passam a ser cada vez mais as do futebol total, em que os jogadores não possuem mais posições fixas — eles mudam de posição o tempo todo para se ADAPTAR à melhor configuração estratégica a cada MOMENTO. Todos devem ser líderes em algum momento, e seguidores em outros.


Quem tem a bola tem a liderança e o suporte do time todo naquele momento para cumprirem a missão neutralizando o adversário. Para funcionar, o futebol total depende da capacidade dos jogadores em se adaptarem continuamente – a versatilidade dos jogadores é crítica para o sucesso. Assim é também com o líder na sociedade 5.0.


Para que esse processo fluido aconteça e funcione, o Gartner propõe a metodologia do ContinuousNEXT, fundamentando os princípios estratégicos para líderes distribuírem a liderança: Shape, Shift e Share – os 3S para formatar adequadamente (shape) os times, mudar continuamente (shift) de posição e compartilhar (share) a liderança.


E as bananas do título? Continuarão existindo, mas possivelmente cada vez mais impressas em 3D, com modificações tecnológicas para otimização nutricional, funcional e, provavelmente, personalizadas 😉


MARTHA GABRIEL

É considerada uma das principais pensadoras digitais no Brasil, referência em inovação, transformação e educação digitais. Autora de dois best-sellers e finalista do Prêmio Jabuti, é também premiada palestrante keynote internacional, tendo realizado mais de 70 apresentações no exterior, além de 4 TEDx. É uma das palestrantes mais requisitadas do Brasil, realizando mais de 100 palestras por ano. Apresentadora da websérie “Caminhos da Inovação” da Desenvolve SP e do Mundo Digital e “SEBRAE Digital” na Rádio Jovem Pan. Rankeada entre os 50 profissionais mais inovadores do mundo digital brasileiro pela ProXXIma, entre os Top 50 Marketing Blogegrs mais influentes do mundo pelo KRED e Homenageada Especial do Prêmio Profissional Digital ABRADi 2017. Executiva e consultora nas áreas de business, inovação e educação. Engenheira pela Unicamp, pós-graduada em marketing pela ESPM-SP e em design pela Belas Artes-SP, mestre e Ph.D em artes pela ECA-USP e educação executiva pelo MIT. Professora de pós-graduação na PUC-SP, no TIDD – Tecnologias da Inteligência e Design Digital, de MBAs, e de Faculty Internacional da CrossKnowledge. Sócia da Martha Gabriel Consulting & Education e da startup Nethics Educação.


Fonte: Gennegociosegestao.com.br

Posts recentes

Ver tudo

Ganhos ou perdas de capital na determinação do lucro

(…) nesse contexto que aparecem as diretrizes constitucionais para a tributação da “renda” pelo legislador da União, vocábulo (“renda”) que, na perspectiva da pessoa jurídica, é traduzido pelo conceit

© 2020 - Contador SC.