Buscar

Regulamentados os critérios de análise de impacto regulatório previsto na Lei da Liberdade Econômica

O Decreto nº 10.411/2020 regulamenta, entre outras providências, a Lei nº 13.874/2019, conhecida como Lei da Liberdade Econômica, em especial, o disposto no art. 5º, o qual determina que as propostas de edição e de alteração de atos normativos de interesse geral de agentes econômicos ou de usuários dos serviços prestados, editadas por órgão ou entidade da administração pública federal, incluídas as autarquias e as fundações públicas, serão precedidas da realização de análise de impacto regulatório, que conterá informações e dados sobre os possíveis efeitos do ato normativo para verificar a razoabilidade do seu impacto econômico.


Nesse sentido, a referida norma regulamenta a análise de impacto regulatório, e dispõe sobre o seu conteúdo, os quesitos mínimos a serem objeto de exame, as hipóteses em que será obrigatória e as hipóteses em que poderá ser dispensada.


Para esse efeito, o referido decreto aplica-se:


a) aos órgãos e às entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, quando da proposição de atos normativos de interesse geral de agentes econômicos ou de usuários dos serviços prestados, no âmbito de suas competências; e

b) às propostas de atos normativos formuladas por colegiados por meio do órgão ou da entidade encarregado de lhe prestar apoio administrativo.


Considera-se análise de impacto regulatório (AIR) - procedimento, a partir da definição de problema regulatório, de avaliação prévia à edição dos atos normativos tratados na referida norma, que conterá informações e dados sobre os seus prováveis efeitos, para verificar a razoabilidade do impacto e subsidiar a tomada de decisão.


Vale ressaltar que, a edição, a alteração ou a revogação de atos normativos de interesse geral de agentes econômicos ou de usuários dos serviços prestados, por órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional será precedida de AIR.


No âmbito da administração tributária e aduaneira da União, aplica-se o referido decreto somente aos atos normativos que instituam ou modifiquem obrigação acessória, não se lhes aplicando aos atos normativos:


a) de natureza administrativa, cujos efeitos sejam restritos ao âmbito interno do órgão ou da entidade;

b) de efeitos concretos, destinados a disciplinar situação específica, cujos destinatários sejam individualizados;

c) que disponham sobre execução orçamentária e financeira;

d) que disponham estritamente sobre política cambial e monetária;

e) que disponham sobre segurança nacional; e

f) que visem a consolidar outras normas sobre matérias específicas, sem alteração de mérito.


O referido decreto entrará em vigor na data de sua publicação e produz efeitos em:


a) 15.04.2021, para o Ministério da Economia;

b) 14.10.2021, para os demais órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.


(Decreto nº 10.411/2020 – DOU 1 de 01.07.2020)


Fonte: Editorial IOB

Posts recentes

Ver tudo

Finanças públicas e lei complementar

Em matéria de finanças públicas a Constituição de 1988 atribuiu à lei complementar a regulamentação de diversas matérias, a maior parte delas concentradas nos arts. 163, 163A e 165, § 9º como adiante

© 2020 - Contador SC.