Buscar

O valor do controle – Parte 1

Da série de mitos do mercado financeiro:


“O valor de aquisição de uma empresa é equivalente ao valor de seu fluxo de caixa descontado mais o chamado prêmio de controle.”


“O prêmio de controle nas empresas abertas costuma ser de 30%.”


No Brasil, a discussão sobre governança corporativa é relativamente recente, mas parece ser um caminho sem volta. Este artigo não tem a ambição antropológica de buscar culpados históricos para o tipo de capitalismo vigente no Brasil a fim de simplificar o problema, procurando justificativas no longínquo modelo de colonização portuguesa ou nos traumas causados mais recentemente pela ditadura militar. Porém, o fato é que nosso cidadão comum é pouco exigente e tem reduzida experiência de participação, o que só foi agravado, no caso do mercado de capitais, com a introdução das ações preferenciais pela antiga Lei das S.As., promulgada em 1976. Essa lei, regente do funcionamento das companhias abertas no País, é peça fundamental para o desenvolvimento do mercado de capitais — no qual, tradicionalmente, a figura do sócio controlador muito forte e com todos os poderes concentrados desestimula os investidores a se tornarem acionistas minoritários.


A intenção do governo da época, em pleno período do “milagre econômico”, era permitir a captação de recursos sem que houvesse divisão equivalente de poder, consagrando o modelo pouco democrático do capitalismo brasileiro. De acordo com esse sistema, uma empresa poderia ter seu capital composto por um terço de ações ordinárias (com direito a voto) e dois terços de ações preferenciais (sem direito a voto, mas com algumas vantagens, como recebimento prioritário de dividendos). Essa liberalidade permitia que o proprietário de 50% mais uma ação do segmento das ordinárias (aproximadamente 16,7% do capital total da empresa) assumisse o controle absoluto das decisões. Enquanto isso, a outra fatia substancialmente maior, correspondente a 83,3% das ações, ficava subordinada em poder de decisão aos acionistas que detivessem os 16,7% restantes (na prática, majoritários).


Mudanças na Lei das S.As. em 1997, às vésperas do processo de privatização de empresas do setor de telecomunicações, fizeram o respeito ao acionista minoritário atingir o nível mais raso de nossa história. O governo, visando arrecadar mais recursos no processo e agilizar a venda das estatais, retirou do acionista minoritário o direito de tag along — o direito de receber o mesmo valor pago ao acionista majoritário quando da venda do controle da empresa.


A menor liquidez (menos de 16,7% do capital do chamado free float —quantidade de ações disponíveis para negociação), a inexistência de tag along e algumas vantagens adicionais dos papéis preferenciais tiraram a atratividade das ações ordinárias. Por que um acionista preferiria uma ação menos líquida, sem direito algum em caso de venda de controle da empresa e ainda atrás da fila de alguns direitos? O recorde de desconto médio do preço de ações ordinárias em relação às preferenciais foi de 43%, exatamente ao final de 1998, ano da privatização do sistema Telebrás.


Houve dois momentos importantes de reformulação da Lei das S.As.: do ponto de vista do mercado de capitais, a reforma de 2001, após uma longa discussão no Congresso, representou o avanço mais importante; e, em 2007, houve uma revisão concentrada em aspectos contábeis, com o objetivo de harmonizar as regras brasileiras com o padrão internacional (IFRS).


Após chegar ao que se pode considerar o fundo do poço no final do século 20, a atratividade das ações ordinárias para o investidor começou a ser restabelecida pela nova Lei das S.As. em 2001, tendo como mudança mais importante o direito de tag along de 80% para as ações ordinárias. Se, por hipótese, o controle (ações ordinárias) de uma empresa aberta for vendido por um preço equivalente a 100 reais por ação (independentemente da cotação negociada em mercado), o comprador terá de estender a oferta para os minoritários de ações ordinárias, oferecendo pelo menos 80 reais por ação. Aos preferencialistas, esse direito não foi automaticamente previsto em lei, ficando a regra a cargo do estatuto de cada empresa.


O lugar comum dos 30% de prêmio no caso de venda de controle consistiu, por muitos anos, quase em um mantra no mercado. Mas a introdução de selos de qualidade (Nível 1, Nivel 2 e Novo Mercado) pela bolsa gerou mais racionalidade à questão. Foram criados patamares mínimos de boa governança e respeito aos direitos dos acionistas minoritários. Ocorre que a adesão ainda está aquém do esperado. De 386 empresas abertas, apenas 143 (37%) aderiram ao Novo Mercado (no qual as empresas só podem emitir ações ordinárias com 100% de tag along). Mais da metade — 250 empresas — se mantiveram no segmento tradicional, não aderindo a nenhum selo. Exploraremos essas dificuldades na segunda parte deste artigo.


ALEXANDRE PÓVOA

É economista pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós-graduado em Finanças pelo IBMEC e MBA pela Stern School of Business (New York University) – com bolsa de estudos do Banco Mundial –, atua em gestão de recursos há mais de trinta anos. Ex-atleta profissional de basquetebol, trabalhou em instituições renomadas como Banco Inter-Atlântico, Fundação Eletros e Banco Morgan Stanley Dean Witter. Exerceu o cargo de Diretor de Investimentos do ABN AMRO Asset Management no Brasil, onde os fundos de investimento se notabilizaram pela excelência de gestão. Posteriormente, juntou-se ao Grupo Modal, onde foi Diretor Superintendente. Também fundou a Canepa Asset Brasil com sócios estrangeiros, gestora de sucesso na qual se dedicou como CEO. Como economista e na área de gestão de recursos, é um dos profissionais mais reconhecidos do mercado, tendo sido eleito quatro vezes, em pesquisa promovida pela Revista Investidor Institucional, o “Melhor Gestor de Fundos do Brasil”, nos segmentos de renda variável e multimercados. Póvoa dedica-se a sua empresa Valorando Consultoria, prestando assessoria a empresas e investidores, além de ministrar cursos e palestras por todo o Brasil. É colunista de diversos jornais e revistas.


FONTE: Capital Aberto

Via Gennegociosegestao.com.br/

Posts recentes

Ver tudo

IPO: Vale a pena entrar?

Com o reaquecimento do mercado de capitais depois do choque do coronavírus, mais de 50 empresas estão na fila para colocar suas ações na Bolsa. Vale a pena entrar nessa onda do IPO? Bom, a resposta de

7 meios de internacionalizar as organizações

Todas as organizações – desde as pequenas até as gigantescas – têm uma variedade de meios para se envolverem em negócios internacionais. Trata-se de desenvolver mercados para seus produtos em outros p

Planejamento estratégico, agora é hora!

Vou fugir dos clichês que existem para os momentos de crises em chinês, japonês, javanês. Vou me concentrar no que realmente importa, no que devemos fazer num momento de crise como o que estamos viven

© 2020 - Contador SC.