Buscar

Duas metodologias de gestão de preços pós-Covid

Para Frederico Zornig, CEO da Quantiz Pricing Solutions, empresas que procurarem melhorar margens buscarão métodos inovadores para otimizar precificação


Desde que a crise do novo coronavírus começou, as empresas têm respondido de maneiras diferentes aos desafios. Enquanto algumas vêm explorando bem o dinamismo do mercado, elevando vendas e valor para suas marcas, outras têm tido maior dificuldade. Para Frederico Zornig, CEO da Quantiz Pricing Solutions , especializada em precificação, em comum há a necessidade de garantir fluxo de caixa positivo, maximizar lucro, aumentar a base de clientes novos e reter os atuais. Segundo ele, as empresas que procurarem melhorar margens buscarão métodos inovadores para otimizar preços.


Nesse cenário, Zornig destaca duas metodologias que servem para produtos vendidos na sua loja:


Modelo de preços únicos

  • Entre suas características, esse método inclui ser transparente, multicanal e, na medida do possível, fixo durante longos períodos de tempo, eventualmente com promoções bem-organizadas e uniformes

  • Esse modelo exige um posicionamento bem-sucedido, com clareza dos requisitos exigidos pelo consumidor, bem como do valor percebido por ele

  • O produto ou serviço deve conseguir se diferenciar no mercado para que seus preços não sofram alterações com movimentações de concorrentes, independentemente do canal em que esteja sendo comercializado (on ou offline)

  • Para o valor praticado ser bem definido e poder ser sustentado, é preciso basear-se em estudos sobre a jornada do consumidor, a força da marca e outros atributos valorizados pelos consumidores

  • Zornig explica que um erro na estratégia poderá tornar o produto alvo de ataques de concorrentes, fazendo com que seja difícil sustentar o preço sem alterações

Modelo de preços variáveis

  • Os preços flutuam com frequência bem maior do que se está acostumado, pois reagem rapidamente a movimentações da concorrência, sazonalidades, alterações de demanda ou estoque, entre outras variáveis

  • O dono da marca ou quem a está vendendo precisará validar a resposta de volume para cada preço ou oferta praticamente a todo momento

  • Também nesse caso é importante levar em conta os estudos do modelo anterior. A diferença é que “errar” um preço inicial não é um pecado e há possibilidade de corrigir a estratégia a partir de algoritmos que já consideram um amplo número de variáveis. Isso permite coletar dados e monitorar oscilações

  • Segundo Zornig, o uso de um algoritmo desse tipo permite responder a demandas internas ou situações inesperadas, como altas repentinas de estoque ou queda brusca de vendas

“A migração para compras online e a experiência adquirida pelo consumidor no e-commerce irão, em longo prazo, levar a um dinamismo de preços atípico nas lojas físicas”, acredita Frederico Zornig, CEO da Quantiz Pricing Solutions


Fonte: SA Varejo

© 2020 - Contador SC.