Buscar

Desconsideração da Personalidade Jurídica

O Instituto da desconsideração da personalidade jurídica está previsto no CCB/2002, art. 50 e no CDC, art. 28, com os quais se permite submeter o patrimônio particular dos sócios às obrigações assumidas pela sociedade empresária, nas hipóteses de desvio de finalidade, confusão patrimonial e liquidação irregular. O instituto também dispõe da chamada desconsideração inversa, em que se recai ao patrimônio da sociedade o cumprimento das obrigações pessoais do sócio. Cabe ao direito processual criar os mecanismos para efetivar a desconsideração da personalidade jurídica seja ela comum ou inversa. O CPC/2015regula a matéria atinente em nível processual (CPC/2015, art. 133, § 1º) como tema incidente, no capítulo destinado à intervenção de terceiros.


A personalidade jurídica da sociedade empresária existe para instrumentalizar a atividade econômica, viabilizando, assim, o direito à propriedade, que conseguinte reveste-se de função social.


José Afonso da Silva (1) destaca que a função social aplica-se a todas as espécies de propriedade e, ainda, correlacionando este princípio com o princípio da valorização do trabalho humano (CF/88, art. 170, caput), a defesa do consumidor (CF/88, art. 170, V), a defesa do meio-ambiente (CF/88, art. 170, VI), a redução das desigualdades regionais e sociais (CF/88, art. 170, VII) e a busca do pleno emprego (CF/88,art. 170, VIII), tem configurada a sua direta implicação com a propriedade dos bens de produção, «especialmente imputada à empresa pela que se realiza e efetiva o poder econômico, o poder de dominação empresarial». Conclui também que «a iniciativa econômica privada é amplamente condicionada no sistema da constituição econômica brasileira. Se ela se implementa na atuação empresarial, e está se subordina ao princípio da função social, para realizar ao mesmo tempo o desenvolvimento nacional, assegurada a existência digna de todos, conforme ditames da justiça social, bem se vê que a liberdade de iniciativa só se legitima quando voltada à efetiva consecução desses fundamentos, fins e valores da ordem econômica.»


Para que haja a desconsideração da personalidade jurídica é necessária a existência de requisitos objetivos (insolvência) e subjetivos (desvio de finalidade ou abuso da personalidade):


«Distinção de responsabilidade de natureza societária. 2) requisito objetivo e requisito subjetivo. 3) alegação de desprezo do elemento subjetivo afastada. I - conceitua-se a desconsideração da pessoa jurídica como instituto pelo qual se ignora a existência da pessoa jurídica para responsabilizar seus integrantes pelas consequências de relações jurídicas que a envolvam, distinguindo-se a sua natureza da responsabilidade contratual societária do sócio da empresa. Ii - o artigo 50 do Código Civil de 2002 exige dois requisitos, com ênfase para o primeiro, objetivo, consistente na inexistência de bens no ativo patrimonial da empresa suficientes à satisfação do débito e o segundo, subjetivo, evidenciado na colocação dos bens suscetíveis à execução no patrimônio particular do sócio - no caso, sócio-gerente controlador das atividades da empresa devedora [...]» STJ - REsp: 1141447 - Relator: Ministro SIDNEI BENETI, Data de Julgamento: 08/02/2011, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 05/04/2011


«A desconsideração da personalidade jurídica é medida excepcional, exigindo para seu deferimento a comprovação da ocorrência de pelo menos um dos requisitos previstos no artigo 50 do Código Civil, a saber, O DESVIO DE FINALIDADE ou a confusão patrimonial [...]» TJ-DF - AGI: 20150020171004, Relator: SANDOVAL OLIVEIRA, Data de Julgamento: 05/08/2015, 5ª Turma Cível, Data de Publicação: Publicado no DJE : 12/08/2015 . Pág.: 250

O requisito objetivo ocorre quando demonstrada a insolvência da sociedade empresária, caracterizada por tentativas de infrutíferas de execução e mudança de endereço sem a devida comunicação aos órgãos competentes, ainda que conste como ativa perante a Junta Comercial do respectivo Estado. Nesse sentido, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça editou a Súmula 435/STJ, pacificando o entendimento sobre a presunção da dissolução irregular de empresas que alteram seu endereço fiscal.


No que tange ao elemento subjetivo da desconsideração, caracteriza-se o abuso da personalidade jurídica, quando do desvio de finalidade ou confusão patrimonial entre os bens do sócio e os bens empresariais (CCB/2002, art. 50), com claro excesso ao fim econômico e social que a sociedade empresarial possui (CCB/2002, art. 187).


Observa-se que a insolvência e a dissolução irregular da empresa, por si só, não têm o condão de caracterizar o incidente de desconsideração (consolidado precedente do STJ), contudo, somados tais elementos objetivo e subjetivo, isto é, o uso indevido e desvirtuado da sociedade empresária há que se responsabilizarem as pessoas físicas que dela se utilizam , na medida em que «a doutrina da desconsideração da personalidade jurídica visa impedir a fraude contra credores, levantando o véu corporativo, desconsiderando a personalidade jurídica num dado caso concreto, ou seja, declarando a ineficácia especial da personalidade jurídica para determinados efeitos, portanto, para outros fins permanecerá incólume. Com isso alcançar-se-ão pessoas e bens que dentro dela se escondem para fins ilícitos ou abusivos, pois a personalidade jurídica não pode ser um tabu que entrave a ação do órgão judicante» (DINIZ, Maria Helena. 2002. p. 256/257.)


(1) SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 11ª ed. São Paulo: Malheiros, 1996.

(2) DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro, vol. I. 18ª Ed. Saraiva. São Paulo. 2002. p. 256/257.


Fonte: Juruadocs.com/

Posts recentes

Ver tudo

IPO: Vale a pena entrar?

Com o reaquecimento do mercado de capitais depois do choque do coronavírus, mais de 50 empresas estão na fila para colocar suas ações na Bolsa. Vale a pena entrar nessa onda do IPO? Bom, a resposta de

7 meios de internacionalizar as organizações

Todas as organizações – desde as pequenas até as gigantescas – têm uma variedade de meios para se envolverem em negócios internacionais. Trata-se de desenvolver mercados para seus produtos em outros p

Planejamento estratégico, agora é hora!

Vou fugir dos clichês que existem para os momentos de crises em chinês, japonês, javanês. Vou me concentrar no que realmente importa, no que devemos fazer num momento de crise como o que estamos viven

© 2020 - Contador SC.