Buscar

A frase ímpar de Masi

O professor Vincenzo Masi publicou nos periódicos do mundo inteiro.

Sua teoria, o patrimonialismo era conhecida mundialmente. Difícil seria reconhecer quem nunca ouvira falar em seu nome, só se não fosse contador. Sem dúvida o teórico mais proeminente do último século. Revolucionou a contabilidade com sua teoria, e colocou nossa disciplina aos postos de ciência organizada de cunho superior.


O que poucas pessoas comentam é que o mestre, absolutamente religioso, tinha uma forma ímpar de se despedir, ou até mesmo de cumprimentar.

O mestre tinha uma visão deísta, embora não conheçamos a sua religião especificamente.

Seus princípios de virtude, heroísmo, abnegação eram indeléveis. Não maltratava o semelhante. Homem honesto. Disciplinado. Bom pai de família. E extremamente metódico. E sua família imita o genitor até hoje (sempre muito gentil com o trato conosco).

Sua vivência não era para si, mas para os outros. Própria dos homens com uma visão extremamente avançada.

Tanto é verdade que na Revista Paulista de Contabilidade ele constantemente escrevia para os professores Armando Aloe e Francisco Valle.

Quando editavam um artigo seu era uma festa para todos nós brasileiros.

O nosso próprio mestre Lopes de Sá, dizia que a sua missão não era aperfeiçoar as obras estupendas de Masi, mas trabalha-las em ótica diferente, devido à sua grande qualidade.

Concordamos plenamente com o mestre mineiro, as obras de Masi estão num patamar de conhecimento que não deve ter chegado cinco pessoas no mundo, no campo da contabilidade (e uma delas é o emérito professor Sá).

Mesmo assim, o mestre tinha grande valor mas era uma pessoa simples. De hábitos muito modestos.

Ele escrevendo uma vez para a Revista Paulista colocou uma frase que nos chamou a atenção.

Nas outras cartas de trabalhos seus editados, assim também ele escrevia.

Era então um ser humano à frente de seu tempo, até muitos séculos.

A frase era em italiano: “Credime sempre!”. Isto é: “Sempre me creias” ou “Sempre acredite em mim!”.

Não era apenas uma frase bonita, memorável, todavia, uma frase de grande sentido.

Quando Masi assume a possibilidade de ser o maior mentor da teoria contábil da história do mundo, ele estava colocando a sua vida, a sua labuta, a sua família a favor do conhecimento. Ele pedia fé nele. Que todos acreditassem no seu esforço em prol desta ciência. No dom que lhe foi dado por Deus, e que por sua colaboração era divulgado em suas letras imortais ditadas pelo Pai Eterno.

Porque ele entregava-se inteiramente à sua missão, pedia fé. A crença de todos nós.

Então sabia das noções cosmológicas que Deus lhe havia pugnado a fazer.

Tinha que proceder a sua vida no sacerdócio do trabalho na luta em favor da contabilidade.

Por sua invulgar inteligência, por sua grande capacidade, seu moral esforço, sua luta viril, sua finalidade constante, sua vontade pertinaz, sua sagacidade frequente, era um grande ícone, uma personalidade ímpar o qual todos esperam que ele desse mais a favor da contabilidade.

Ele sabia que muitos tinham fé e esperança na sua grande capacidade dada por Deus.

Seu dom era esperado e almejado por todos nós, e só teríamos um modo de conseguir entendê-lo: lendo-o cada vez mais.

O mestre Masi se sacrificou no terreno da vida, e foi por isso digno de fé.

Por isso sempre dizia “sempre acredite mim” porque “eu me esforçarei para buscar e demonstrar a verdade que Deus ma revelou, e com o esforço da inteligência o dom divino dado aos grandes seres em favor do conhecimento contábil”.

Nós acreditamos nele, e por isso chegamos num patamar contábil muito grande; hoje a contabilidade deve muito a Masi.

Que adianta viver a vida sem ter uma causa? E causa sublime, alcançada com virtude e trabalho sem agredir ninguém. Algo a se esforçar para mostrar cada vez mais a verdade? Mesmos com frustações, lute! Enfrente a vida e seja uma pessoa que faça diferente! Não importa o que os outros pensem de você! Faça! FAÇA ALGUMA COISA!

Não percamos a vida, sejamos imortais em nossas palavras, em nosso esforço por uma causa justa, nobre, e sublime.

É o que o próprio Jesus disse: AQUELES QUE QUEREM A SUA VIDA DEVERÃO PERDÊ-LA. Perca a sua vida no sacerdócio da vida na luta a favor de Deus, da verdade, do conhecimento. Seja um “mártir”!

Sejamos sacerdotes, do conhecimento, da religião, da família, e de Deus!

É isso que tentamos fazer desde o início de nosso curso de contabilidade em 2003.

Por isso eu posso ousadamente por amor e imitação sadia sempre dizer: “Sempre acreditem em mim!”


Por: Rodrigo Antonio Chaves


Fonte: Profrodrigochaves.com.br/